O perigo da pílula do dia seguinte

A pílula do dia seguinte não apresenta 100% de eficácia, não é um método contraceptivo e não deve ser utilizada com recorrência.

 

Afinal, assim como outros medicamentos, quanto mais utilizada, menos eficácia irá apresentar. Portanto, recomenda-se o uso apenas em casos de emergência, seja por uma relação sexual sem preservativo ou violência sexual.

 

Se você utiliza a pílula do dia seguinte com frequência, leia este artigo até o final para entender como ela pode lhe prejudicar.

 

É uma bomba de hormônios

 

A pílula do dia seguinte tem uma dose bastante elevada de hormônio, se comparada à pílula anticoncepcional. Logo, os efeitos colaterais também podem ser acentuados.

 

Seu uso recorrente aumenta a possibilidade de doenças tromboembólicas, além de desregular o ciclo menstrual. Algumas mulheres apresentam vômito e, caso ocorra nas primeiras 2h após a ingestão da pílula, é necessário ingeri-la novamente.

 

Quais são os principais efeitos colaterais da pílula do dia seguinte?

 

Além do vômito e da desregulação do ciclo, o medicamento ainda pode causar:

 

  • Dores de cabeça
  • Náuseas
  • Diarreia
  • Alteração no fluxo menstrual
  • Pequenos sangramentos
  • Aumento de peso
  • Sensibilidade nos seios
  • Espinhas
  • Alteração de humor
  • Queda da libido

 

Como já comentado anteriormente, se você usá-la de forma muito recorrente, irá perder a eficácia, porém, você estará ingerindo doses exageradas de hormônios.

 

Seu uso deve ser apenas em casos de emergência e em, no máximo, até 72h após o ato sexual desprotegido. Entretanto, o ideal é que seja logo após a relação, pois quanto mais distanciada a ingestão, maior a chance de falha.

 

Você pode entender ainda mais sobre esse tema assistindo ao vídeo da dra Érica Mantelli:

 

 

Existem mulheres que utilizam a pílula do dia seguinte mensalmente, o que pode prejudicar muito a saúde. Mas não é apenas a alta dose hormonal que oferece riscos.

 

Muitas pessoas apostam no medicamento como forma de evitar uma gravidez, porém esquecem que podem se expor ao risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis.

 

Para evitar gravidez, você pode utilizar os seguintes métodos:

 

  • Diafragma
  • DIU de cobre, prata ou hormonal
  • Pílula anticoncepcional
  • Injeção anticoncepcional
  • Adesivo anticoncepcional
  • Anel vaginal
  • Ligadura tubária

Entretanto, é muito importante lembrar que, mais que buscar formas de prevenir uma gestação, é essencial fazer sexo de maneira segura, utilizando preservativo, pois o mesmo serve de barreira para as DST’s.

 

Leia também:

5 principais causas da infertilidade feminina e como tratá-las

Fertilidade: quais as chances de engravidar em cada idade?

 

Para continuar bem informada sobre assuntos como esse, nos siga nas redes sociais. Lá, estamos constantemente divulgando conteúdos importantes sobre a saúde da mulher.

Comentário

Nenhum comentário neste post. Faça o primeiro.

Deixe um comentário

WhatsApp